CONJUNTURA

01/03/2020 16:01

UM OLHAR...

Por  Prof. Alice Ferreira

Ultimamente, tenho feito poucas postagens em relação à política e a atual conjuntura do país. Não que eu tenha deixado de acreditar que o Brasil ainda tem jeito, é muito mais que isso, é não perder a esperança por dias melhores, basta apenas mudar algumas peças no tabuleiro desse jogo.

O que tenho observado??

Muitas coisas...

Principalmente o comportamento, a retórica, e o julgamento de certas pessoas nas redes sociais bem antes e durante a divulgação do samba de enredo da Mangueira e a interpretação do mesmo no grande desfile na Marquês de Sapucaí. A agremiação recebeu uma enxurrada de todo tipo de julgamento de várias pessoas de variadas classes sociais e credos (religião). O que tenho visto com “esses olhos que   a terra há de comer” é que pessoas que se dizem da “igreja”, que te louvam Senhor no teu altar, que usam o teu santo nome e ainda a imagem de sua Mãe Nossa Senhora (Aparecida, de Fátima, de Nazaré, das Dores, da Conceição, todas são mãe do meu Senhor e nossa mãe também) usam de uma farsa descabida para fazer parte do teu rebanho. Percebo nas entrelinhas das colocações textuais (postagem) de determinados profissionais e até da Educação (professores/educadores) o julgamento que fazem a respeito da realidade apresentada este ano de 2020 pelas escolas de samba (...e em outros anos também), só que este ano o número de escolas que apresentaram os temas polêmicos em relação a política brasileira foram bem maior que outros anos (dez agremiações do RJ focaram no mesmo tema).

Acompanhei a interpretação textual do samba de enredo da Mangueira analisado por uma Professora de Língua Portuguesa, e a interpretação do mesmo pela escola no grande desfile na avenida, achei fenomenal no sentido de chamar a atenção da sociedade, ou melhor do MUNDO inteiro para a atual conjuntura em que sobrevive o excluído, o marginalizado, o negro, a mulher, o desempregado, o idoso desamparado.

Conheço pessoas (sem citar nomes) que na igreja ajoelham, louvam, entoam hinos, glorificam, jejuam, fazem penitência, benzem o corpo, fazem campanha de oração, fazem parte do Ministério da igreja, participam de encontros, retiros, acampamentos, congressos, tudo em nome do Senhor, e vem nas redes sociais julgar, apontar, criticar a forma como se mostrou Jesus Cristo na escola de samba da Comunidade Mangueirensse. Esqueceram em que condição nasceu Jesus?? Ninguém deu hospedagem à Maria e o príncipe da Paz nasceu em um estábulo, seu berço não foi de ouro e sim uma pequena manjedoura aonde comiam os animais. Jesus é dos pobres, mas também é dos ricos. Ele não faz distinção entre negro, branco ou índio; homem, mulher ou transgênero; o excluído, o oprimido ou desempregado; o umbandista, o crente ou católico; o presidiário, o enfermo ou a pessoa saudável. Por fim vamos lembrar dos nossos irmãos imigrantes que deixaram seu país, sua família por conta de uma crise ou guerra sem precedentes, cruel e ignorante. O Papa em seu discurso condena e nos alerta para a “Hipocrisia Humana”, de países que falam de Paz e vendem armas.

Esse samba de enredo mostrou mais uma vez a realidade nua e crua de uma sociedade excludente e preconceituosa. Se não sabem vou lembrá-los que em nossas veias correm o sangue do índio, do negro e do branco. Se não sabem que pra chegarmos até aqui e sermos o que somos hoje alguém teve que sofrer lá no passado e se aqui chegamos e nascemos para a vida foi graças a miscigenação das raças.

Observo também e chego a me impressionar com pessoas com tanto conhecimento e outras nem tanto e nem por isso deixam de ser inteligentes a ponto de não perceberem o veneno (ou fel) escorrendo em seus lábios e te consumindo quando abres a boca e o destila entre uma ou outra palavra quando julgas o teu próximo em razão de não querer compreender o que ficou bem claro através do samba da Mangueira (...e de outras escolas também) chamando nossa atenção para uma grande reflexão.

DEUS nunca fechou a porta do seu coração pra ninguém e nunca fechará. ELE o ama e não o desama pelo simples fato de ser um favelado, lésbica, endinheirado, analfabeto, prostituta, assalariado, PCD (Pessoas Com Deficiência), branco ou negro. O julgamento cabe a ELE e acontece sempre no final dos nossos dias aqui nesse plano inferior. Entre ELE e eu, entre ELE  e você. Portanto vamos olhar para nossos irmãos com amor e nos despir do ódio que está visivelmente em seu olhar. Muito cuidado!!

Mantenha sua saúde em dia.

“Menos ódio, menos desprezo, menos desafeto, menos preconceito, menos falsidade, menos exclusão, menos raiva, menos hipocrisia”

Tudo em exagero faz mal

Mais Fraternidade, Solidariedade e Amor.

Vivamos na Paz do Senhor!!!

Texto da Prof. Alice Ferreira, Pós Graduada em Psicopedagogia, Gestão Escolar e Ed. Infantil.


SEDE DO SINTEP-VG

Redes Sociais

Sintep VG

SINTEP/VG - Travessa Pedro Pedrossian, n.º 27
Bairro Centro - Aeroporto CEP. 78110-355
Fone 3682.2263
sintepvg@terra.com.br
contato@sintepvg.org

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo